Servidor da Saúde corre risco de demissão se tratar mal os pacientes

Uma notícia que está preocupando o servidor público de saúde é a possibilidade de ser demitido, caso pacientes reclamem de terem sidos mal tratados.

De um lado, parte da população se sente representada com a publicação que foi feita por meio de uma portaria do Executivo da região, informando que os servidores da Secretaria de Saúde correm o risco de serem demitidos por falta de atendimento com qualidade aos pacientes da rede pública. Os funcionários terão de seguir as orientações e normas de atendimento, o descumprimento poderá acarretar em advertência seguida por exoneração, sendo que, a exoneração é somente após o funcionário ter sido advertido e não aceitar se adaptar.

Advertisements

Essas novas regras publicadas Diário Oficial do Distrito Federal contendo possível demissão do servidor de saúde tem como prioridade oferecer atendimento humanizado aos pacientes que procuram e dependem da rede pública de saúde pelo do Sistema Único de Saúde (SUS).

Para os servidores pode soar como ameaça, a estabilidade do serviço público é o principal motivo pelo qual em todo o país muitas pessoas investem em concurso, mas é importante ter empatia, se colocar no lugar do outro, especialmente quando se trata de saúde pública.

A Secretaria de Saúde espera com essa portaria, fazer com que os funcionários atendam os usuários com mais gentileza em todas as áreas de saúde, seja nas Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), postos de saúde ou hospitais. Em todo o tipo de procedimento deve haver educação e respeito.

A ordem é oferecer atendimento humanizado acolhendo todos que buscam atendimento, não discriminar ninguém por preconceitos de sexualidade, raça, idade ou cor, além disso, é preciso ter atenção a linguagem que utiliza, precisa ser de fácil entendimento e respeitosa.

Na publicação da portaria, uma determinação que está bem clara é esta; “é direito do usuário ter atendimento adequado, com qualidade, no tempo certo e com garantia de continuidade do tratamento”.

O telefone da Ouvidoria de Saúde foi disponibilizado para ligação gratuita dos usuários, 162.

O presidente do Sindicato dos Médicos do DF (Sindmédico), doutor Gutemberg Fialho, comentou;

“Primeiro, precisamos criar condições e, depois, normatizar. Se formos hoje ao Hospital Regional de Ceilândia (HRC), não há macas. Tudo está um caos”.

O governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB) falou sobre as novas regras; “Estamos dando estrutura para toda a rede de atendimento hospitalar. Temos consciência de que muita coisa ainda precisa ser mudada, porque encontramos uma estrutura bastante sucateada”,

Fonte: Correio Braziliense

Written by Silvia Cardoso Souza

Professora Silvia, dou aulas no periodo vespertino e escrevo noticias nos sites da rede Maetips. Mãe de dois meninos, Lucas e Renato de 6 e 12 anos. Sejam muito bem vindos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *