in

De que adianta falar quatro idiomas e não dizer “bom dia” no elevador?

- Anúncio -

O mundo moderno e cada vez mais dinâmico, tornou algumas pessoas excelentes, especialistas em diversas áreas, profissionais de habilidades incríveis e múltiplas qualidades, mas e o básico? A inteligência emocional, a educação, a gentileza e a empatia, como estão sendo treinadas?

Palestrantes e coachs nos treinam para querer ser melhores no que fazemos, cada vez mais competitivos e difíceis de derrubar, verdadeiras máquinas ao que nos propomos, mas e nossas habilidades sociais e principalmente nossa humanidade parece que anda meio esquecida, e já não se importa muito.

“Você é especial porque foi o único espermatozoide a atingir o óvulo de sua mãe” é uma das frases ditas nos treinamentos de capacidataos. Mas quase ninguém diz o essencial: “educação, respeito, ética e honestidade deixam o mundo melhor.”

- Anúncio -

Estamos nos esquecendo das pequenas demonstrações de afeto, que podem fazer toda a diferença em algum momento necessário.

Mas digamos que a pessoa não queira ser afetuosa, mesmo assim, ela precisa entender que uma sociedade não funciona regras básicas de educação, considerando que ninguém precisa ou quer aturar sua falta de educação, nem mesmo as pessoas que te ama, imagina estranhos.

- Anúncio -

Outra coisa que precisa ser encarada como algo fundamental, pessoas educadas, fraternas, e sensíveis aos outros, também podem fazer os mesmo treinamentos e estudos, se tornarem especialistas e de quebra ter o “algo a mais”, que vai encantar outros seres humanos.

Seja grato, seja educado, controle seus impulsos. Ninguém vai estar bem todos os dias, mas isso não dá o direito de ser grosseiro.

Cumprimente o porteiro, seja gentil com a moça da limpeza, não acredite que seu tempo é mais valioso do que o do zelador. Todos temos nossa importância na sociedade e nada se constrói sozinho. Faça a diferença sendo um excelente ser humano.


Qual sua opinião? Escreva abaixo👇
- Anúncio -

Written by Ana Paula

Jornalista de profissão, e redatora por vocação. Escrevo com prazer tentando passar em palavras, emoções que possam tocar a vida das pessoas. Nas horas vagas mamãe de gatos e degustadora de cafés, que são meus grandes amores.

Mulher adota um gatinho minúsculo e raquítico. Um ano depois, o bichano já tem praticamente o mesmo peso que a dona! Um ato de amor salvou esse bichinho.

Maju estreia como 1ª negra do Jornal Nacional e sofre ataques racistas