in

Lojas da ZARA vão ter sala de espera para os homens com cerveja grátis

Parece que as lojas da Zarra querem mesmo agradar o público masculino, a iniciativa deve mesmo agradar os rapazes que gostam de tomar uma cervejinha gelada enquanto as mulheres fazem suas compras sem pressa. A única objeção, que com o tempo pode surgir é se com um pouco da demora das companheiras não ficarão bêbados.

Para evitar maiores dificuldades na hora de voltar para casa, a sugestão é para que as meninas não bebam, caso tenham ido de carro, pois podem precisar conduzir o veículo de volta.

Essa iniciativa foi pensando nas mulheres, parece meio contraditório um espaço para homens quando se pensa nas companheiras, mas o fato que não é novidade para ninguém, que muitos homens reclamam do tempo que as amadas levam para escolher os produtos que desejam comprar. Esse comportamento é quase geral, faz parte da essência feminina escolher com atenção, provar e só depois decidir. Diferente dos homens, alguns nem gostam de experimentar, escolhem o tamanho, modelo, pagam e vão embora.

Antes de pensar que as mulheres estão torcendo o nariz ou vendo com desconfiança, muitas devem estar concordando e elogiando as lojas Zara para fazer as compras sem pressa.

Agora quando você passar por uma das lojas da Zara e notar a presença de muitos homens por perto, agora saberá o motivo da simpatia dos meninos pelas lojas.

A direção da Zara entende que reservar uma sala para os rapazes ficarem à vontade bebendo cerveja é também uma atitude altruísta. Não são poucos os homens que se sentem entediados quando as namoradas, esposas, noivas e até irmãs e mães estão fazendo compras, para eles o tempo não passa e acabam ficando “chatos” sem querer, apressando as mulheres para serem mais rápidas, algo que provavelmente não irá acontecer com a sala de espera para os homens com cerveja.

A sala contará com decoração de bom gosto, puffs, sofás e a principal atração, cerveja gelada grátis.

Estudos mostram que pais ainda perdem o sono se preocupando com filhos adultos

Aprovado em medicina na USP fazia faxina para pagar cursinho