in ,

A mulher da casa abandonada: como estão os cachorros resgatados da mansão?

Após a famosa história que ficou conhecida como “mulher da casa abandonada”, a curiosidade de muitos internautas sobre o que foi feito e como estão os animais que viviam em ambiente de dar medo, onde os cachorros ficavam em meio às fezes, lixo e urina, o caso voltou a ser comentado nas redes sociais para saber como estão os bichinhos.

 

No início do mês, dia 3 de julho, voluntários e veterinários do Instituto Luisa Mell estiveram no local da história “mulher da casa abandonada” e conseguiram fazer o resgate de dois cachorros.

 

O caso viralizou, após a história ser contada em um podcast do jornal ‘Folha de S. Paulo’ 

A história dessa “mulher da casa abandonada” é sobre Margarida Bonetti e começou há muitos anos nos Estados Unidos, quando ela e o marido mantiveram por 20 anos, uma empregada em condições análogas à escravidão.

 

Ao serem descobertos ela desapareceu e se tornou uma foragida do FBI. Desde então passou a morar escondida em São Paulo, no bairro  Higienópolis.

 

Embora a história seja arrepiante, a maior repercussão foi por conta dos voluntários do Instituto Luisa Mell  que se arriscaram para salvar os cachorros e pularam o muro da casa, foi assim que encontraram e resgataram Mortícia e Wandinha, duas cadelas que viviam em péssimas condições.

 

Os voluntários registraram denúncia no 4º Distrito Policial (DP), na Consolação, pelo crime de abuso a animais, mas a responsável pelos cães não foi encontrada.

 

Vizinhos de  Margarida Bonetti contaram ao G1 que a mulher comprou os cães para proteger a casa contra possíveis invasores, mas não teve atenção aos cuidados básicos dos animais.

 

Com a repercussão da história, os voluntários do Instituto Luisa Mell decidiram entrar no casarão e resgatar os animais, que agora estão recebendo tratamento.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agente que matou petista está em estado grave e intubado

Cremerj quer cassar de anestesista que estuprou parturiente