Pessoas que falam palavrão são mais inteligentes e felizes; segundo estudo

Os ‘boca suja’, podem ser mais felizes, inteligentes e íntegros que a maioria das pessoas; diz estudo

Muitas pessoas torcem o nariz para quem fala muitos palavrões, mas segundo um estudo, essas pessoas podem ter um QI mais elevado, serem mais honestas e até mais felizes que as outras.

No ano de 2015 foi realizado um estudo que concluiu que pessoas que conseguem xingar pelo maior número de vezes em um intervalo de um minuto, usando muitos palavrões, têm uma pontuação mais elevada o QI (Quociente de Inteligência).

Segundo a pesquisa, essa capacidade tem ligação com um sinal de força retórica, de alguém com um vasto vocabulário, que articula melhor ideias e libera sentimentos.

No mesmo projeto, foi identificado que pessoas bagunceiras e que dormem mais tarde, também têm maior capacidade intelectual.

Analisados os perfis de 267 pessoas, para a conclusão do estudo, ficou concluído que os que usavam maior número de palavrões, eram mais honestos e expressavam mais claramente suas emoções, dizendo de fato o que estavam sentindo, sem se reprimir ou tentar mentir.

Para a maioria dessas pessoas, o palavrão serve como uma verdadeira forma de comunicação, e não para prejudicar ou ofender as outras.

Estudiosos chegaram a conclusão que as pessoas que se expressam usando os palavrões, se libertam mais rapidamente dos sentimentos negativos, o que as torna mais leves e consequentemente mais felizes.

Quando acontece a “explosão”, e a pessoa fala vários palavrões, ela sente um alívio quase que imediato de suas ansiedades e desconfortos, e com isso favorece sua saúde de modo geral.

 

Dercy Gonçalves ficou famosa por falar muitos palavrões, e seu jeito desinibido e “desaforado”, foi considerado único, e ficou eternizado na memória do público. Ela era a rainha dos palavrões.

 

 

NEGOVURA/SHUTTERSTOCK


Qual sua opinião? Escreva abaixo👇



Casais que brigam quase o tempo todo são os mais apaixonados

Aprenda a plantar uvas em sua casa, é mais fácil do que parece