Vermífugo e remédio para asma pode “matar” o coronavírus testado em laboratório

Cientistas da Coreia do Sul conseguiram identificar medicamentos que apresentaram resultados nos testes em laboratório, considerados como sinais promissores para o combate contra o Covid-19. 

Os pesquisadores estão animados, mas ainda é preciso seguir novos passos para, de fato, estarem seguros de que os remédios poderão ser recomendados com segurança para o uso.

Advertisements

Os cientistas testaram duas drogas comuns, já conhecidas, e a resposta dos testes realizados com células do novo coronavírus em laboratório, demonstrou que são capazes de neutralizar o Covid-19, no entanto, os primeiros resultados ainda estão nas fases preliminares dos testes, além disso, não foram testados em humanos para conhecer as doses e reações.

A pesquisa foi publicada em um revista especializada da Sociedade Americana de Microbiologia, a Antimicrobial Agentes and Chemotherapy. Os cientistas testaram 46 remédios comuns que já são utilizados para outras finalidades e tratamento de outras doenças, a partir de células renais colhidas do macaco-verde-africano. São células usadas no desenvolvimento e produção de vacinas.

Uma droga que é usada no tratamento da teníase, se trata do vermífugo niclosamida, cujo efeito é de amplo espectro antiviral, foi documentado por suas propriedades durante estudos conta SARS (Síndrome respiratória aguda grave) e também contra a MERS-CoV (síndrome respiratória do Oriente Médio).

Se por um lado os pesquisadores estão animados com a descoberta da drogas, por outro tem o fator da desvantagem, nesse caso, a de baixa absorção pelo organismo.

A outra droga testada em laboratório foi o antiviral ciclesonida, um corticóide muito usado para tratar asma e rinite alérgica.

“Com sua comprovada atividade anti-inflamatória, a ciclesonida pode representar uma droga potente que pode manifestar [os] papéis duplos [de antiviral e anti-inflamatório] no controle da infecção por SARS-CoV-2”, disseram os pesquisadores.

Pesquisadores alertam para que não haja uma precipitação em relação às drogas. nos casos do novo coronavírus, pois ainda terão de fazer mais testes, inclusive testes clínicos para comprovar a eficácia sem prejuízo para as vidas humanas.

Créditos: Correio Braziliense

Written by Silvia Cardoso Souza

Professora Silvia, dou aulas no periodo vespertino e escrevo noticias nos sites da rede Maetips. Mãe de dois meninos, Lucas e Renato de 6 e 12 anos. Sejam muito bem vindos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0