in

Morre menino que perdeu parte do crânio ao salvar mãe de estuprador

- Anúncio -

Um caso muito triste chocou a Rússia e volta a ser noticia na internet depois que um site recordou a história do adolescente Vanya Kaprivin, de 16 anos.

O jovem morreu após 19 longos meses de luta pela vida em um hospital russo.

A vida de Vanya e sua família mudou totalmente depois que ao tentar evitar que a mãe fosse estuprada por um vizinho, ele foi atingido por um golpe na cabeça e perdeu parte do crânio.

- Anúncio -

Conforme informações da emissora britânica Sky News, o menino chegava da escola, quando viu sua mãe ensanguentada, sendo agredida por um vizinho que tentava estuprá-la.

O menino então pegou um halteres e foi para cima do homem, mas o criminoso conseguiu pegar o halteres da mãe de Vanya e atingi-lo na cabeça, com o peso de 3 quilos.

A mãe de Vanya, Natália, foi esfaqueada pelo homem por 27 vezes. Os dois foram encontrados inconscientes na casa.

No hospital, parte do crânio e da massa encefálica do menino foi removida, mesmo assim depois de um tempo ele começou a recobrar parte da consciência e chegou a reconhecer a enfermeira que cuidava dele.

A mãe do menino, após se recuperar das facadas, só visitou o filho duas vezes, ela alegou que se sentia mal por tudo que houve e não conseguia vê-lo.

Depois de 19  meses, o menino finalmente descansou após pegar uma gripe e não resistir.

- Anúncio -

O agressor era um ex-detento, que havia passado 14 anos preso por tentativas de assassinato, e Natália já havia pedido na justiça providências para que o homem não vivesse perto deles, por se sentir ameaçada por ele.

- Anúncio -

Qual sua opinião? Escreva abaixo👇
- Anúncio -

Written by Ana Paula

Jornalista de profissão, e redatora por vocação. Escrevo com prazer tentando passar em palavras, emoções que possam tocar a vida das pessoas. Nas horas vagas mamãe de gatos e degustadora de cafés, que são meus grandes amores.

Crianças apaixonadas por dinossauros são mais inteligentes; diz estudo

Ex de Pyong quebra silêncio sobre acusação de agressão: “Me deixem em paz”