in ,

Médicas, enfermeira e perito do caso Henry prestam depoimento

Foto: reprodução
- Anúncio -

Conforme registro do hospital, no caso do menino Henry, aponta contradições nas falas da mãe e padrasto da criança dadas à polícia.

Funcionárias do hospital do Hospital Barra D’Or, duas médicas e uma enfermeira, prestaram depoimento na última segunda-feira (22/03), na 16ª Delegacia de Polícia, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, sobre o atendimento na madrugada do dia 8 de março, ao menino menina Henri Borel.

A Polícia segue com as investigações para esclarecer o caso e saber o que aconteceu.

- Anúncio -

Às funcionárias do hospital hospital do Hospital Barra D’Or, responsável pelo atendimento da criança, não foram as únicas ouvidas em depoimento, o perito do IML (Instituto Médico Legal) também foi ouvido.

O menino de 4 anos, Henry Borel, foi a óbito no dia 8 de março, após supostamente ter sido encontrado pela mãe, caído em um dos quartos, onde o menino morava, juntamente com a mãe e o padrasto.

Segundo o boletim do hospital, Henry Borel deu entrada às 3h50, informando que, Monique e Jairinho (mãe e padrasto) disseram ter ouvido um som, que teria sido emitido pelo menino, por isso foram ao quarto.

- Anúncio -

 A médica Viviane Rosa informou que o casal disse ter encontrado o menino mole, “após ouvir um barulho no seu quarto, sem resposta [da criança] ao chamado da mãe”.

Quarta-feira (18/03), mãe e padrasto do menino prestaram depoimento de 12 horas na polícia. A mãe confirmou que o filho não queria voltar para casa, ele estava com o pai, chegou a vomitar quando chegou ao apartamento à noite. 

Mas o fato do menino ter passado mal, não teria sido a primeira vez, era considerado comum, quando Henry chorava muito. A mãe contou que, para tranquilizar o filho, o levou a uma padaria, perto do condomínio em que mora.

Peritos estiveram no apartamento para fazer a perícia, mas uma empregada já havia feito toda a limpeza.

- Anúncio -

De acordo com o laudo de exame de necrópsia, a causa da morte do menino Henry Borel,  foi hemorragia interna e laceração hepática, provocada por ação contundente.

 

Créditos: https://pleno.news/brasil/cidades/medicas-enfermeira-e-perito-do-caso-henry-prestam-depoimento.html

 


Qual sua opinião? Escreva abaixo👇
- Anúncio -

Written by SIlvia Jornalista

Professora Silvia, dou aulas no periodo vespertino e escrevo noticias nos sites da rede Maetips. Mãe de dois meninos, Lucas e Renato de 6 e 12 anos. Sejam muito bem vindos.

Nos EUA, atirador abre fogo em supermercado e deixa 10 mortos