Coronavírus: Ministério da Saúde ameaça confiscar máscaras

Diante da possibilidade de uma epidemia do novo coronavírus, um dos itens mais procurados pela população em todo o mundo, são as máscaras cirúrgicas e o álcool gel.

Aqui no Brasil, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, esteve reunido hoje, sexta-feira, 28/02, em Brasília com representantes da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (Abimo).

O motivo da reunião que o secretário-executivo do Ministério da Saúde propôs, foi para tentar resolver um possível impasse com empresas que fabricam máscaras, falando sobre o novo coronavírus.

Durante a reunião, foi feito alerta da possibilidade do Ministério da Saúde ter de confiscar máscaras cirúrgicas. A ameaça visa garantir que os fornecedores não se recusem vender para o Governo Federal, para isso, o secretário-executivo deixou claro que, se preciso for, irá acionar na Justiça, uma ação de garantia de fornecimento por parte dos fabricantes.

A medida seria para evitar escassez de máscaras e aventais nesse momento, em que todos precisam cooperar.

Em entrevista coletiva na última quinta-feira, 27/02, João Gabbardo dos Reis, secretário-executivo do Ministério da Saúde disse;

“Há produtores que se mostraram desinteressados em vender para o Ministério da Saúde. Preferem exportar. Vamos alertar a Abimo. Nós não vamos contemporizar. Vamos impedir a exportação e determinar a apreensão dos produtos na própria fábrica, se necessário”.

No mês de janeiro, o Ministério da Saúde comunicou a abertura de licitação de R$ 140 milhões para compra e aquisição de EPIs (equipamentos de proteção individual), tendo prioridade em máscaras, luvas, gorros, capotes, álcool e protetor facial.

O Governo está prevendo a compra de ao menos, 24 milhões de máscaras cirúrgicas.

“Vamos agir com bastante rigor. Pode haver penalidades: são passíveis de [bloqueio] na participação em licitações públicas e multas. A Lei 13.979, aprovada pelo Congresso, nos permite isso”, disse. “Esperamos que nessa reunião possamos avançar e não tenhamos que usar desses instrumentos para fazer aquisição”, informou João Gabbardo.

Fonte: ND+

Written by Silvia Cardoso Souza

Professora Silvia, dou aulas no periodo vespertino e escrevo noticias nos sites da rede Maetips. Mãe de dois meninos, Lucas e Renato de 6 e 12 anos. Sejam muito bem vindos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0