in ,

Com tiros, agentes sacrificam animais na lama de Brumadinho

- Anúncio -

Comandante da operação afirma que essa decisão difícil foi tomada apenas para os casos onde não há condições de salvar os animais que já estão há muitos dias sofrendo, presos na lama.

Na tarde da última segunda-feira (29), um helicóptero sobrevoava o percurso que foi devastado pela lama do rompimento da barragem do Córrego do Feijão em Brumadinho (MG), tinha uma missão diferente, ao invés de procurar vítimas, os agentes precisaram sacrificar alguns animais.

Isso aconteceu porque muitos deles estão presos desde a última sexta-feira (25), em locais de difícil acesso e são pesados como bois e cavalos, e muitos deles estão com membros quebrados, aumentando o sofrimento.

- Anúncio -

Os animais estão sofrendo de sede e fome e não têm qualquer chance de conseguir se livrar da lama que os atola, alguns até o pescoço.

O chefe da Defesa Civil de Minas, coronel Evandro Geraldo Borges, confirmou essa decisão ao jornal Estadão, e explicou os motivos.

- Anúncio -

“O que vamos fazer? Deixar o animal sofrendo? Estamos sim, com equipe em campo executando esse trabalho, mas essa decisão só é tomada nos casos em que não há outra opção.” 

Outra parte da equipe, segundo o coronel, está empenhada em socorrer animais “em condições de serem retirados” da lama.

Mas em muitas situações, declarou, só resta o tiro de misericórdia.

“Não tem jeito. Tem animal preso, outro com perna quebrada. Temos de fazer escolhas, de retirar as pessoas, ir atrás de sobreviventes. Tudo que está sendo feito foi pensado. É isso.”

- Anúncio -

Qual sua opinião? Escreva abaixo👇
- Anúncio -

Written by Ana Paula

Jornalista de profissão, e redatora por vocação. Escrevo com prazer tentando passar em palavras, emoções que possam tocar a vida das pessoas. Nas horas vagas mamãe de gatos e degustadora de cafés, que são meus grandes amores.

Se você engordou desde que começou a namorar, significa que está feliz, diz estudo

“Tive gêmeas e descobri que uma tinha Down e a outra não no dia do parto”