in ,

Alunas relatam assédio de professor de educação física em tradicional escola de SP

- Anúncio -

Polícia investiga a acusação de assédio contra professor de educação física de escola pública em São Paulo.

Mais um suposto caso de assédio dentro de uma escola, está sendo investigado pela polícia. Um professor de educação física, de 41 da escola Escola Estadual Marina Cintra, na Consolação, região central de São Paulo, está sendo investigado por um suposto caso de assédio contra meninas, alunas da escola.

Os pais de uma menina de 11 anos registraram um Boletim de Ocorrência no 4° Distrito Policial da cidade na última sexta-feira (21).

- Anúncio -

A menina acompanhada dos pais, relatou que durante a aula, depois de jogar “queimada”, sentou e pegou um livro para ler enquanto descansava, foi então que o homem teria se aproximado e inciado uma conversa fora de contexto. Ele então perguntou a menina sua idade, se ela era virgem e se perderia a virgindade com ele. A criança diz que ele também perguntou se ela mandaria “nudes” (termo em inglês usado na internet para falar de fotos nuas).

A aluna então levantou assustada e ligou para a mãe.

Outras alunas afirmam terem sido assediadas pelo mesmo professor

Outras 16 meninas, alunas da mesma escola, com idades entre 11 e 14 anos, procuraram a direção da escola e disseram também terem sido assediadas pelo docente. Segundo elas, na manhã do ocorrido, ele também teria lamentado o fato de que elas não poderiam usar shorts para as atividades.

Elas afirmam que os atos do professor ocorriam a tempo. Que ele as chamava de “gostosas”, e que teria tocado nas nádegas de pelo menos duas delas. Ainda de acordo com as crianças, elas não haviam procurado a direção ou avisado os pais, porque tinham medo e sofriam ameaças por parte dele.

- Anúncio -

Alunos revoltados quebraram os vidros do carro do professor.

A Secretária de Educação diz que vai apurar todos os fatos, e que o professor já está afastado das atividades. E que não voltará mais para aquela unidade de ensino.

- Anúncio -

De acordo com a legislação ele terá um prazo de 3 dias para apresentar uma defesa e se ficarem comprovados os abusos ele será demitido.

O docente por sua vez afirma que está sofrendo com injustiça, e que isso está lhe causando transtornos familiares.

Ele procurou a delegacia onde também registrou boletim de ocorrência com relação aos danos ao carro, e também diz estar sofrendo ameaças e danos morais na internet.


Qual sua opinião? Escreva abaixo👇
- Anúncio -

Written by Ana Paula

Jornalista de profissão, e redatora por vocação. Escrevo com prazer tentando passar em palavras, emoções que possam tocar a vida das pessoas. Nas horas vagas mamãe de gatos e degustadora de cafés, que são meus grandes amores.

Bebê diagnosticado com câncer é abandonado pela mãe e chora chamando por ela

Giovanna Ewbank posta foto de Titi na praia e pose gera polêmica na web